Aqui está o nome de duas pessoas que, há mais de 20 anos atrás, conseguiram mudar e prejudicar a vida ao mesmo tempo. Infelizmente não consegui encontrar fotos, porque é mesmo isso que eu faço quando é necessário. Exponho as pessoas que interferiram na minha vida de uma forma não muito boa e me fizeram mudar o rumo das coisas. E aqui era mesmo necessário. Mas vamos perceber o que na realidade aconteceu para depois de tantos anos finalmente contar mais uma peripécia da minha vida! É só emoção, lol!

Conheci estas duas pessoas quando fazia parte de um trabalho que tinha a ver com serviços de fotografia. Hoje em dia não faz nenhum sentido a meu ver, mas o trabalho baseava-se em irmos para algumas zonas de Lisboa e tirar fotografias com crianças acompanhadas pelos pais para depois estas serem reveladas e enviadas para as respectivas moradas. Não sei se cobravam por um numero determinado de fotografias ou algo do gênero, honestamente não sei. Uma tara do caral@@@, na volta o gajo era pedófilo e ninguém sabia, o que é certo é que ninguém também fazia dinheiro, mas na altura era algo que não fazia muito sentido.

Aquele café na imagem ao lado esquerdo era onde todas as manhas todos os funcionários iam tomar o pequeno almoço ou tomar o seu café, e como eu sempre fui um tipo que quando estava num grupo tinha alguma dificuldade em me relacionar com desconhecidos (há mais de 20 anos atrás), estas duas pessoas especificas repararam nisso e com o tempo fomos tendo alguma amizade e a criar ligações.

Elas moravam nos Olivais (Rua da Portela) e eu no Prior Velho, a distancia não muita e de vez em quando ia a casa de uma delas, eu era ajudado muitas vezes e também dei a minha ajuda sempre que pude em várias circunstancias. Por não haver um trabalho fixo, em condições e remunerado como deve ser, a maioria das vezes passávamos fome. Lembro-me perfeitamente de um episodio em que quando eu trabalhava no Aeroporto de Lisboa, houve um dia que trouxe para casa da Cristina um saco cheio de bolos e sandes que não se tinham vendido nesse dia. Foi uma felicidade porque nem ela nem o filho passaram fome durante os próximos 3 ou 4 dias e pelo menos não comiam só couratos.

A confiança foi crescendo, eramos já quase como família, já nos conhecíamos muito bem para termos certos tipos de conversas, até já tinha sido pensado entre todos em abrir um negocio e etc. Eu dava-me muito bem com o filho dela, riamos de tudo e mais alguma coisa, e na altura eu queria acreditar que tinha ali amigos para a vida inteira. Até porque na altura não tinha muitos e os que conhecia já tinham tomado o seu rumo.

Mais tarde houve uma mudança de casa da parte desta Cristina e da sua “namorada” Sameiro e eis que uma proposta é-me feita da parte delas que consistia em eu emprestar o meu livro de cheques assinado por mim e pré-datados para que a Sameiro pudesse fazer uma compra de uma mobília para a sua casa nova. Tudo isto feito num acordo verbal em que ela seria a responsável por depositar os valores que cobrissem os montantes dos cheques. Até uma certa altura eu nem sequer sabia muito bem como funcionava isso, nunca tinha tido uma conta bancaria nem a noção de como as coisas poderiam ter um rumo diferente daquilo que era suposto. O certo é que o dinheiro que ela se tinha garantido nunca foi parar á minha conta, e passados uns meses recebo uma chamada do meu banco (na altura Nova Rede) em que havia depósitos em falta para cobrir o valor dos cheques. Ou seja, foram passados os chamados “cheques carecas”, na altura era possível fazer compras com cheques mesmo não tendo dinheiro na conta.

Está mais que visto e provado que se aproveitaram da minha alta ignorância e da minha confiança também. Uma vez confrontadas com o facto de eu ser contactado pelo banco, tentaram me aliviar dizendo para eu não me preocupar porque estas coisas ás vezes aconteciam e nao era nada de grave porque elas estavam a resolver a situação. Só que eu trabalhava no aeroporto e recebia o meu vencimento em dinheiro vivo, elas não faziam nada. Se eu tivesse o azar de ser pago através de conta bancaria estava bem lixado.

Conclusão, o meu nome acabou por ficar em lista negra no Banco de Portugal, nunca mais pude abrir conta bancaria nem passar cheques. Tudo por cause de há mais de 25 anos atrás ter depositado extrema confiança em pessoas que no final acabaram por me prejudicar. Ao ponto de, se eu tivesse de ser pago por uma entidade qualquer através de transferência bancaria, ter de pedir a outras pessoas para que deixassem que a transferência foi feita para a conta deles. É que eu não podia usar a minha conta para rigorosamente nada. Para todos os efeitos, o responsável era eu, e não era a elas que as entidades ou o banco iam ligar.

O assunto nunca ficou resolvido. Passado uns bons anos esta situação foi apagada do banco de Portugal, mas o meu nome nunca ficou limpo desta situação. Já estas duas senhoras, beneficiaram e bem de um golpe que para elas até correu muito bem. Nunca mais as vi, nunca mais tive a oportunidade de falar com elas, e continuam na mesma situação precária de sempre.

Já eu, continuo na minha vidinha de olhos bem abertos, feliz e contente, e claro que se eu soubesse na altura no que me estava a meter tinha logo negado a proposta. Quis ajudar por confiar demais, e acabei por me lixar.

A gente aprende com os erros, certo?

Qual o seu grau de satisfação deste artigo?

Average rating 4.5 / 5. Vote count: 2

No votes so far! Be the first to rate this post.


Blog De Um Tuga

Criador do blogue "blogdeumtuga.com" fala e escreve sobre as suas experiências pessoais e aborda alguns assuntos de interesse dependendo do seu ponto de vista e opinião pessoal. Fotógrafo amador e blogger português. WordPress site designer. Locutor / Broadcaster.

0 comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Translate »