Pessoas Tóxicas – Mais uma para a caderneta

Ai minha nossa! Uma pessoa acorda de manha para ter de ler coisas que não fazem qualquer sentido. E depois não sei se hei-de rir ou mandar esta gente para outra banda.

Ha uns dias estava eu muito bem na minha vidinha a fazer uma emissão de radio e começa a chover pedidos de amizade no Facebook como se nao houvesse amanha, tive pelo menos á vontade 3 pedidos. Nada contra de todo, quanto mais pessoas conheço, mais divulgo o meu blogue.

Como eu gosto de conhecer pessoas novas lá aceitei o pedido de conexão e como sou educado, gosto de dar as boas vindas a quem me adiciona, mas por vezes não é possível responder de imediato porque quando estamos em emissão pode ser um pouco stressante e nem sempre o podemos fazer de imediato a quem nos manda mensagem.

Foi o caso de Paula Cristina Castro e esta é só um pequeno exemplo de alguém que psicologicamente não se encontra muito estável. No inicio uma conversa agradável, mas logo comecei a reparar em frases que não faziam muito sentido para alguém que só me tinha conhecido á pouco menos de 6 horas. Eu gosto de pessoas minimamente cultas, que saibam ter uma conversa onde eu possa absorver algo benéfico para a minha vida e onde eu posso aprender coisas que no futuro me venham a ser uteis.

Eu não preciso propriamente de encontrar pessoas que falem unica e simplesmente dos problemas que tiveram no passado. Não me interessa. A menos que, eu possa afazer algo ou ajudar com um concelho e dar o meu parecer relativamente a um assunto que eu tenha o minimo de conhecimento. O que infelizmente não foi o caso porque automaticamente eu reparei que esta pessoa, para além de sofrer de uma vasta carência afectiva, teve no seu relacionamento episódios que não foram muito agradáveis, e talvez de certa forma estivesse a tentar encontrar pessoas que lhe dessem esse tipo de factores. Uma outra agravante, foi o facto de mais tarde vir a saber que esta pessoa sofria de um mal chamado depressão.

Ora, eu não sei lidar com isto, é um assunto no qual eu não tenho muito conhecimento e não posso ajudar de todo. É para isso que servem os psicólogos e familiares mais próximos e eles sim podem ajudar.

Eu não sou pessoa de ficar o dia todo em casa sentado no sofá agarrado ao computador ou ao telemóvel e a fuçar nas redes sociais á espera que as pessoas me deem atenção. Eu não imploro ou mendigo por atenção, e quem me conhece sabe muito bem que por vezes nem falo com as pessoas nas redes sociais. Posso comentar e fazer likes em postagens, mas não passa disso, e muito raramente publico alguma coisa onde as pessoas nem sequer reagem.

Nem 12 horas tinham passado, quando esta pessoa começa a invadir o meu WhatsApp e mensageiro do Facebook logo pela manhã com perguntas do estilo: “Não dizes nada?“, “Deves estar muito ocupado…“, “Quero um beijo“, “Não me ligas nenhuma, vou embora, xau“. Agora vem lá a minha pergunta do dia: que mer@@@ é esta??? Que raio de perguntas são estas e com que fundamento se baseiam?????

Eu gosto que as pessoas venham ter comigo e perguntem como eu estou e mostrem algum interesse, agora todo o dia só neste tipo de comentários e perguntas a alguém que nem sequer conhecem de lado nenhum, é um bocado incomodativo e de certa forma é ocupar o espaço do outro em busca de atenção forçada. E para mim isto não funciona. Se anteriormente eu e esta pessoa tivéssemos tido uma conversa agradável, uma conversa confortável e falado de vários assuntos para que houvesse um conhecimento geral sobre cada um, opá tudo bem, mas nem foi esse o caso, e eu vi logo o que estava ali. E para terminar, esta pessoa teve o obsequio de enviar mensagens ainda mais constrangedoras (para ela, não para mim) que infelizmente não tive a chance de fazer print.

Enfim, isto são pessoas toxicas e perigosas, e são casos que podem acontecer só por causa de estarmos envolvidos em actividades sociais, e depois aparecem este tipo de gente que não sabe socializar de todo. Tentam, “esganam-se” a tentar infiltrar-se em grupos que nem tem nada a ver com a sua maneira de ser, e acabam por arranjarem problemas onde eles não existiam.

Com tanta gente na internet que muitos passam a conhecer quase todos os dias, ou com mais pessoas para falar, porque será que só se focam num único individuo que pouco ou nada tem para dar?

Aprende-se tanto com a Internet…

Qual o seu grau de satisfação deste artigo?

Average rating 5 / 5. Vote count: 3

No votes so far! Be the first to rate this post.

Partilhe este artigo nas suas redes!