Projectos que falharam. Tudo é interessante… Mas não tem interesse

Por diversas razoes que as pessoas tentam se interessar por coisas novas. Uns por motivos pessoais, outros mais para passar o tempo, e uns até querem ingressar em actividades diferentes que nunca esperavam fazer durante a sua vida esperando talvez algo mais promissor no futuro.

Quando falamos em coisas novas, não estamos a falar de coisas que não existam. É algo novo, mas para a pessoa que está a querer experimentar agora seja porque razao for. Só que ás vezes, experimentar coisas novas, não significa que elas tenham muito interesse ou que a pessoa tenha aptidão para isso. Por vezes é por uma questão de nos desafiarmos a nós mesmos e vermos ate onde podemos chegar. Assim como no meu caso em fotografia.

No meu caso o meu sonho é poder um dia ser um fotografo profissional, ser de alguma forma reconhecido pelo meu trabalho, dar a conhecer o meu portefólio e, quem sabe, ser requisitado para futuras sessões fotográficas com modelos, ou fotos artísticas e fazer disto a minha vida, mas alem de ter começado isto da fotografia á coisa de 6 meses mais ou menos, é um projecto que ainda está um pouco longe de sair do papel. Agora pergunto: será que tem interesse?

Interesse vai ter sempre, pelo menos para mim, se tiver para outras pessoas será para aquelas que não estão muito ligadas a este tema, e então, gradualmente querem ver ou gostariam de acompanhar a evolução deste projecto, e até quem sabe, fazer parte dele. Como qualquer novo projecto, ou negocio, temos de fazer a divulgação. Sem divulgação, ninguém vai saber o que fazemos, o que estamos a planear e não vão poder fazer parte do mesmo se não houver uma divulgação, então aí entram as redes sociais e etc. Só que as redes sociais já não sao aquela ferramenta de ajuda que eram há uns bons anos atrás, nós ás vezes divulgamos mas, lá está, para o publico errado, não tem qualquer interesse, e então fazemos o mesmo erro vezes sem conta ate que, alguém se interesse, ou nós mesmos desistimos do que quer que seja. E é algo que eu tenho feito há uns 10 anos para cá.

Eu sempre me interessei pela internet, tecnologia, web design, fotografia, edição de video, e sao coisas que eu á minha maneira, sabendo muito ou pouco, gosto de fazer e acho que podia ser bastante útil para outras pessoas que estão a começar. Tudo aquilo que eu sei, é o básico dos básicos. Nunca tirei cursos sobre os temas acima mencionados, mas tenho algumas luzes de como funcionam, e, com as ferramentas que possuo consigo fazer algumas coisas a nível pessoal. Agora, quem é que em pleno seculo 21, se interessa pelo básico dos básicos quando, se formos a ver, temos profissionais, outras tecnologias e formas de alcançar os resultados esperados? Ninguém. A resposta e simples e clara como o vinho… Rosé…

Vamos então analizar alguns projectos que tive, mas que fracassaram, e que felizmente o investimento não foi muito grande, logo, a perda não foi significativa:

– Web Design / Design Gráfico – Quando fazemos para nós, temos tempo, fazemos bem ou mal mas o resultado é quase sempre o que queremos e alteramos as coisas dependendo do tempo e ferramentas que possuímos. Não percebo puto de Photoshop, posso eventualmente dar uns retoques e colocar uns textos numa imagem mas nada por aí além que me permita fazer disto um trabalho fixo e bem remunerado, e Web Design dá dinheiro. Desisti, porque realmente não tenho paciência nem disponibilidade para estar enfiado em frente a um PC sempre a fazer alterações a um site todo o santo dia, e todos os dias só porque as vezes alguém queria o impossível, ou é muito perfeccionista e detalhista. Isso cansa-me, perco muito tempo, e ainda assim o resultado nunca está como o cliente espera. Obviamente não sou profissional e este não é o meu ramo. Então simplesmente desisti e acabaram-se as chatices.

– Web Rádios / Comunicação – Eu sei fazer radio. É possivelmente das melhores coisas que eu sei fazer, e vocês vão reparar nisso quando eu começar com os meus podcasts em breve. Desde criança, eu sempre tive muito gosto em fazer radio. Eu em casa dos meus pais, pegava num gira discos e num leitor de cassetes, e criava o meu estúdio de radio. Eu tinha um microfone, colunas… e a grande maioria da audiência, eram os meus pais ou os meus amigos que iam a minha casa. Cheguei a entrar pela primeira vez num estúdio de radio a sério em Sta. Maria da Feira no qual eu participei, tinha os meus 14 ou 15 anos e amava estar ali, nem que fosse só para ver o locutor a falar e a mexer nos comandos. A radio chamava-se Radio Águia Azul, em Sta. Maria da Feira. Se me fosse dada a possibilidade de um dia poder vir a trabalhar numa rádio profissional, seguramente que iria aproveitar a oportunidade e garanto que eu seria o melhor.

– Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) – Como todos sabem, informática sempre foi uma das coisas que sempre gostei. Em adolescente larguei a escola e o meu pai pagou-me um curso de TIC também em Sta. Maria da Feira porque já muito antes eu mostrava interesse por este tema. Com o passar dos anos fui aperfeiçoando algumas técnicas que acabaram por me ser úteis ao longo dos anos. Técnicas essas nomeadamente, a instalação de sistemas operativos em Windows, instalação de programas variados, resolução de problemas com drivers e periféricos, e basicamente o básico como sempre. Houve uma altura que toda a gente pensava que ter conhecimentos mínimos de informática era o equivalente a um “heacker” e que eu sabia fazer tudo e mais alguma coisa em computadores… enfim, estupidez, mas na boa. Até a minha filha de 12 anos sabe instalar um sistema operativo no PC e substituir um disco rígido ou colocar uma memoria num computador, como qualquer outra criança normal.

– Geriatria – Tirei o curso em Lisboa há mais de 10 anos através do CEFP (Centro de Emprego e Formação Profissional) durante 2 anos e tal acho eu, já não me lembro bem. O curso era bastante interessante, tinha varias disciplinas incluídas, e no final do curso foi nos dado um estágio a cada um dos alunos em centros de dia, hospitais, e secções diferentes. Posso garantir que é uma actividade dura, Agente em Geriatria não é para qualquer um, e certamente não é para mim. Acabou o curso, o estágio e depois cada um teve de se virar á sua maneira e procurar outras oportunidades

– Criação da Própria Rede Social – Houve um site em tempos que eu decidi criar para poder ajudar portugueses que vivessem noutros países. O nome do site era RedeTuga e foi talvez o projecto que durou mais tempo, cerca de 1 ano +/-. Basicamente era um site, ao estilo do Facebook, mas com um propósito especifico. Ali, portugueses espalhados pelo mundo tentavam ajudarem-se uns aos outros com assuntos relativos a leis, trabalho, vendas, acomodação, etc. Só que na altura os meus conhecimentos de web-design e construção de sites em geral não eram muito avançados, e o site estava sempre com falhas e constantemente a ir abaixo. As pessoas que já faziam parte deste site obviamente não iriam se registar novamente porque se perdiam sempre utilizadores quando o site tinha falhas, e chegou uma altura onde mais ninguém participou, incluindo eu, que depois acabei por desistir por completo deste projecto.

– Radio Luso Britanica – Eu já tinha andado em muitas web-rádios, e era, e sou bom como locutor, a RLB nasceu de uma brincadeira e também pela curiosidade de saber como era gerir uma radio destas mas de uma forma mais avançada. A radio tinha jornalistas, locutores (alguns até mesmo profissionais de rádios FM), parcerias, site, divulgação de artistas, e era também como a RedeTuga, procurando actualizar a comunidade portuguesa que vivia no RU com noticias, informação a vários níveis, e com bastante musica portuguesa, entre outros. Tinha até programas que passavam durante o dia cada um com o seu locutor destinado para o efeito. A RLB, passados uns meses foi então colocada no TuneIn e mais tarde um dos participantes deu a ideia de a transformar em radio FM. Eu nunca iria ter posses nem tempo para tanta papelada, licenças, e um investimento deste porte (abrir uma radio FM é caro) e sempre achei que só em Web, a radio podia ir mais longe e só estava a pagar 5 euros por mês. Sim, qualquer pessoa pode abrir uma web-radio. O projecto acabou por finalizar por minha decisão, pelo facto de alguns dos intervenientes da radio começarem a fazer um apoderamento de toda a criação feita por mim. Não era por darem ideias, que até eram muito boas, mas pelo facto de começarem a tomar decisões e efectuarem alterações nos painéis de administração do servidor de som e site sem me consultarem. O projecto terminou, cada um foi para seu lado, e até hoje não abri mais nenhuma radio deste genero.

Todas estas falhas e desistências acabam sempre por nos ensinar algo. E eu aprendi alguma coisa. Só que há quem diga que quando temos algo em mente temos de ser persistentes, mas a paciência também esgota e a vontade de continuar perde-se porque há sempre alguém que se poe no meio e nem é para ajudar, as vezes é bom mesmo nem ajudarem, talvez com os meus próprios erros eu consiga ir mais longe, nunca se sabe.

E vocês? Algum projecto que tenham desistido ou nunca tenha “saído do papel”? Contem ai nos comentários!

Qual o seu grau de satisfação deste artigo?

Average rating 5 / 5. Vote count: 4

No votes so far! Be the first to rate this post.

Partilhe este artigo nas suas redes!