O CoVid-19 terminou! Já há uma cura, e todo o mundo vai voltar á sua vida normal!

Só que não.
Ainda é muito, mas muito cedo mesmo para festejos e poder respirar de alivio.

Hoje vou falar um pouco sobre a minha perspectiva actual e futura depois que tudo isto terminar… Se terminar. E não querendo alarmar as pessoas, vamos avaliar um pouco como as coisa estão a correr para muitos de nós e como possivelmente será o futuro na pior das hipóteses. Portanto, vou tentar ser breve, simples e claro nas próximas linhas.

Foi decretado o estado de emergência pelo mundo, os restaurantes, cinemas, escolas e outros serviços tiveram de ser obrigados a encerrar por tempo indeterminado. Logo, a economia parou. As pessoas, tais como eu, tiveram de ser obrigadas a ficar em casa. Logo, se ficamos em casa, não podemos trabalhar e desta forma não ganhamos dinheiro. No meu caso, embora o estado britânico diga que vai cobrir 80% sobre o ordenado de cada um, e como já referi num artigo anterior, a ideia foi lancada, mas não se sabe ao certo quando isso terá efeito.

Pessoas como eu, que pagam renda, pensão de alimentos, luz, água, telefone, alimentação, entre outros, possivelmente irão encontrar muitas dificuldades em voltar novamente aos carris, ou seja, as dividas podem se acumular se for o caso de termos de ficar em casa ou não poder trabalhar por vários meses. Temos que ter em conta, que um estabelecimento fechado não está a lucrar. Continua com luzes acesas, frigoríficos a funcionar, sistemas de alarme, etc, etc. E tal como nós, estas empresas também tem de pagar despesas.

O que é que uma empresa pode fazer para poder restabelecer os lucros e poupar, e voltar a estabilizar financeiramente? Despedimentos. O problema em que muitos de nós pensamos nem é muito sobre o vírus em si, mas o que vem depois disso.
Agora vamos colocar as coisas nesta perspectiva: acabou o pesadelo mundial e na nossa visão, basta voltar novamente para os nossos locais de trabalho e voltarmos também a restabelecer a nossa vida, as nossas despesas e lentamente fazer tudo certinho para continuar a vida normal.

Eu espero sinceramente que sim, que muitos biliões de pessoas tenham essa sorte, incluindo eu. Mas agora imaginem se não formos chamados para voltar ao serviço e aos nossos respectivos trabalhos. Como é que vai ser? As empresas não vão chamar todas as pessoas para voltar a trabalhar, neste caso, as pessoas que já tinham os seus empregos e os julgavam seguros e fixos.

Isto, meus amigos, ja esta a afectar muita gente e ainda vai ser pior no futuro.
Mas para evitar o pior, existe aqui no Reino Unido por exemplo, empresas como Tesco, Aldi, B&M, entre outros, que estao a recrutar pessoas para trabalho temporario e cujas as mesmas por razoes financeiras nao lhe convem ficar paradas em casa.
Ver imagens seguintes.

Claro que nem todos os locais estão a fazer isto, mas acho uma óptima iniciativa para aqueles que não podem ficar em casa… “Ah e tal mas tens de ficar em casa para diminuir a propagação do vírus e não sei que!…”. Obvio que sim! Claro! Sem duvida nenhuma, só que a tecnologia ainda não desenvolveu nuvens que fazem o dinheiro cair do céu. E todos precisam de comer, pelo menos.

Mas também, muitos podem esperar que outras pessoas e empresas liguem e mandem mensagens e mails a perguntar por dinheiro ou a cobrar algum serviço mesmo sabendo que o problema é geral. Mas aí já não é um caso de necessidade, é estupidez e burrice mesmo. Eu por acaso tenho um bom senhorio e “congelou-me” uma semana de renda para o caso de eu precisar de algo.
Nem todos os senhorios são assim. Se eu estivesse em Portugal já estava na rua.

Infelizmente eu não tenho amigos ou família que me deem a mão se eu estiver na merda, por isso acho que vou andar a rondar a zona de onde moro e ver se encontro um local para fazer alguma coisa e tentar fazer algum dinheiro senão estou literalmente FDD.

Espero que tenham entendido a minha perspectiva e espero estar errado.

Qual o seu grau de satisfação deste artigo?

Average rating 4.9 / 5. Vote count: 12

No votes so far! Be the first to rate this post.

Partilhe este artigo nas suas redes!